nadar!

 

 

 


 

Após recorde, a medalha de ouro

De: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090510/not_imp368342,0.php
Date: 11-05-2009

o

Felipe França venceu prova dos 50 metros peito do Troféu Maria Lenk, um dia depois de bater a marca mundial A expectativa para ver Felipe França novamente na piscina do Parque Aquático Maria Lenk, no Rio, era enorme. Depois de bater o recorde mundial dos 50 metros nado peito nas eliminatórias do Troféu Maria Lenk, com o tempo de 26s89, na sexta-feira, o novo astro da natação brasileira não decepcionou na final da prova, ontem. Ele não repetiu o feito da véspera, mas conquistou a medalha de ouro com 27s25. "Minha perspectiva era ganhar o ouro e manter o recorde. Sabia que seria difícil superá-lo. De manhã, o corpo ainda está adormecido", explicou. Ele confessou que não conseguiu se isolar na noite anterior e que procurou saber como repercutira o grande feito de sexta-feira à tarde. "Tentei me controlar por causa das provas finais, mas já comemorei muito por dentro", contou. "Entrei em vários sites e vi minha foto estampada nas primeiras páginas. Foi algo muito especial."

oo

Felipe está consciente de que com o recorde virá a fama e uma pressão maior. Sabe que é o favorito dos 50 metros nado peito no Mundial de Roma, em julho, e que o segredo para o sucesso será manter a tranquilidade e treinar forte. "Nunca entrei em uma competição com a pressão de ser o favorito. Vou me preparar muito para estar o mais calmo e relaxado possível", disse. Para ele, o importante agora é conquistar a medalha de ouro em Roma. "Quebrar o recorde novamente será consequência." A próxima missão de Felipe é conquistar o título brasileiro nos 100 metros nado peito com índice para o Mundial, cuja final será realizada hoje pela manhã. "Os 100 metros vão ser bem mais difíceis", avaliou. O jovem de 21 anos (ele completará 22 na quinta-feira) também já sonha com a medalha olímpica.

ooo

NOVA FAÇANHA Ontem foi mais um dia histórico para a natação brasileira no Parque Aquático Maria Lenk. Exatos 29 anos e um mês depois, caiu o recorde sul-americano de Djan Madruga nos 800 metros nado livre. O autor da façanha foi o baiano Luiz Rogério Arapiraca, de 22 anos, que conquistou o título brasileiro com o tempo de 7min58s20, mais de um segundo mais rápido que a marca anterior (7min59s85). "Estou muito honrado. Era um recorde que eu almejava há muito tempo. É um sonho realizado", comemorou o nadador ao deixar a piscina. "O Djan sempre foi um cara em quem eu me espelhei. Sempre procurei copiar o seu estilo. Ele era muito versátil e finalizava as provas com muita força", explicou.

oooo

Djan Madruga parecia feliz, apesar de perder uma marca que lhe pertenceu durante tantos anos. Ele elogiou muito Luiz Rogério e disse que esperava que o recorde fosse batido ontem. "Sabia que a marca poderia cair, a prova tinha nadadores muito fortes. Mesmo assim, foi um feito e tanto. A barreira dos 8 minutos nos 800 metros é muito difícil de ser superada até os dias de hoje", comentou. Luiz Rogério sequer era nascido quando Madruga estabeleceu o antigo recorde sul-americano em Austin, nos Estados Unidos, em 1980. O atleta contou que sabia que a marca estava a seu alcance depois de vencer os 1500 metros com o tempo de 15min15s94, novo recorde brasileiro e do campeonato. "Resolvi entrar e dar tudo de mim", disse o campeão.